sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Tudo a tempo e a hora


Sei que a expressão "tudo a tempo e a hora" não é uma das mais corretas... Melhor seria utilizar "tudo tem seu tempo, tudo tem sua hora", mas sinto como se não houvesse pausas e nem intervalos disponíveis para concretizar a ação. Tudo a Tempo e a Hora ou Tudo ao Mesmo Tempo Agora, tanto faz, desde que aconteça no presente, no agora.

Tem dias que a vida mais parece a uma corrida de obstáculos, que esgota o nosso tempo, as mentes, os corpos e nossos relacionamentos. Chegamos ao fim do dia, da semana, do mês (e por que não falar no fim de mais um ano?) em frangalhos, exaustos de lutar contra a urgência do "a tempo e a hora".

Trabalhar e viver sob pressão passa a ser uma virtude a ser alcançada a todo custo, pois cultivamos a crença que este será o preço a pagar pelo sucesso. Estamos sempre a olhar no que ainda falta a ser feito, no relatório que ainda tem que ser entregue, na conversa urgente que preciso ter com o namorado.

- Como ter uma vida mais leve e feliz? tchan-tchan-tchan-tchaaan .... Essa pergunta vale de um milhão de dólares! Se já inventaram uma fórmula mágica, por gentileza me passem a receita! 

Escrever é para mim uma forma de desviar a minha energia, antes canalizada apenas para os meus problemas, para as minhas dificuldades. Escrever me força a mudar a forma de sentir e expressar a vida. 

Ler só lamúrias não a quem aguente. Vou colocar as mágoas, ansiedades de lado, para reagir ao mundo de forma leve, divertida e feliz. 

Hoje finalizo com Cora Coralina:
"Fechei os olhos e pedi um favor ao vento: Leve tudo que for desnecessário. Ando cansada de bagagens pesadas... Daqui para frente levo apenas o que couber no bolso e no coração. "

Visite o museu virtual de Cora Coralina



quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Globalização da fraternidade

Num tempo em que o individualismo fala mais alto, em que há uma busca incessante para ser considerado VIP (numa tradução literal "pessoa muito importante") ou fazer parte de algo exclusivo, a Igreja Católica nos convida a discutir a sociedade como espaço solidário e justo para todos.

O lema da Campanha da Fraternidade de 2015 é "Eu vim para servir" (cf. Mc 10,45). Tal lema contrasta com a crescente desagregação social que vivemos hoje, onde o que é mais valorizado é estar em um camarote, ter usar um abadá ou até mesmo portar uma pulseirinha, para não se sentir um qualquer um.

Se por um lado, temos essa tendência de separação, por outro, podemos observar episódios em que há um enorme desejo de fazer parte do todo. Acredito que há esperança na mobilização popular, no povo nas ruas, seja para protestar ou para festejar, seja nas manifestações políticas ou nos blocos de carnavais de ruas.

O papa Francisco em sua mensagem para a Quaresma de 2015 nos traz a seguinte mensagem: "Fortaleçam seus corações" (Tg. 5,8), nos alertando para que não caiamos na globalização da indiferença. De acordo com o Papa, estamos vivendo num tempo dominado por notícias e imagens de terror e por indivíduos cada vez mais impotentes e indiferentes ao sofrimento humano.

Desejo que nesta Quaresma possamos globalizar a fraternidade, o respeito pelo próximo e diminuirmos a indiferença, a distância entre nós.

Finalizo com a parte final da mensagem do Papa Francisco: "Por isso, amados irmãos e irmãs, nesta Quaresma desejo rezar convosco a Cristo: «Fac cor nostrum secundum cor tuum – Fazei o nosso coração semelhante ao vosso» (Súplica das Ladainhas ao Sagrado Coração de Jesus). Teremos assim um coração forte e misericordioso, vigilante e generoso, que não se deixa fechar em si mesmo nem cai na vertigem da globalização da indiferença". (Mensagem do Papa Francisco para Quaresma 2015)










terça-feira, 22 de abril de 2014

Posso deixar para amanhã?


Tenho que admitir, meu ponto fraco é um hábito horrível: adiar os afazeres. Sou capaz de adiar qualquer coisa, seja afazeres domésticos, profissionais ou restritamente pessoais ou sociais.

Sempre prometo (a mim mesma e aos outros!) que na próxima semana não irei adiar o início dos novos projetos de que tanto falo todos os dias. Vou empurrando com a barriga e esperando pelo dia seguinte para começar uma nova dieta, para buscar alternativas de uma vida mais saudável ou para iniciar a prática dos temidos e famigerados exercícios físicos.

Todos os dias repito pra mim mesma: "amanhã eu faço". Mas chega o amanhã, o depois de amanhã, a outra semana, o outro mês, o outro ano e não fiz nada do queria fazer. Nenhum projeto realizado, nenhuma conquista a ser festejada. E aí, cresce a ansiedade, a insatisfação. Começo a duvidar que sou capaz de realizar algo, tudo se torna impossível, distante de mim.

Um exemplo desse hábito de adiar as coisas é o abandono que sofreu este blog, mais de 2 anos sem nenhuma postagem.

Hoje, dia 22 de abril de 2014, começo um novo projeto: reativar o blog "A Chave das Chaves".

O blog A Chave das Chaves surgiu da inspiração e da parceria entre duas irmãs. A partir deste post terei um desafio duplo: manter a postagem regular nesta página e convencer a outra chave (Lu Chaves) a reassumir este espaço também.

Espero contar com sua companhia nesta etapa.
Fique a vontade para comentar, curtir e compartilhar.
Leve um pouco de mim e deixe um pouco de você.

Um grande abraço e até mais.